Escolhas, consumo e ética

Quando eu saí de casa naquele dia 24 de abril  não podia imaginar que uma  tarde de #fashionrevolution week, renderia  tanto pano para manga na minha cabeça. Quanto mais eu aprendo sobre minimalismo e consumo, mais eu vejo a importância das nossas escolhas práticas no que diz respeito à sustentabilidade e ética. Aí que entram as palavras da maravilhosa Patrícia Sant’Anna, da Tendere aqui de Campinas, que falou sobre Moda Sustentável e Moda Ética. Continuar lendo

A prioridade essencial

Às vezes é até difícil saber qual é a grande prioridade do dia. Um minimalista vive em  busca do essencial. Mas, afinal, o que é prioridade e o que é o essencial?

prioridade

Prioridades: ser feliz?

Continuar lendo

Fazer e criar

Numa das minhas viagens para ver minha família lá no sul, encontrei no banco do avião uma revista chamada Magazine CasaShopping. Lá tinha uma reportagem sobre um artista e designer inglês chamado Gareth Neal.  Lendo a tal revista, eu  tive uma grande epifania sobre o  nosso relacionamento com a tecnologia. Continuar lendo

O 4 de maio é o dia do Star Wars – e você não precisa ser oficialmente um nerd (como eu) para saber disso. Até a Margareth Tatcher sabe!  (é o que diz a wikipedia)  Explicando: 4 de maio é o Dia de Star Wars graças ao trocadilho em inglês com a forma como se lê a data “May the 4th be with you” – aproveitando essa data  tão especial eu gostaria de comentar uma cena que me impactou muito da última vez que assisti os filmes.

Continuar lendo

A revista Vida Simples e o Minimalismo

Contrariando minha decisão inicial, investi na compra da revista Vida Simples de fevereiro, dedicada ao Minimalismo. A revista apresentou uma boa matéria principal para apresentar o Minimalismo a alguém que nunca ouviu falar dele, mas com poucas novidades para nós que já introduzimos o conceito nas nossas vidas, embora mostre outros minimalistas com sua prática diária. O resto da revista está muito bom. Muitos conceitos ligados ao Minimalismo são explorados: a importância da excentricidade (o pensamento crítico, sem seguir modelos preestabelecidos que questiona a superficialidade das coisas); a importância de se autoquestionar e estar presente em si mesmo (mindfullness – atenção plena) para encontrar uma vida com mais sentido; a importância da nossa relação com a nossa alimentação; a humildade para enxergar com lucidez aquilo que somos, sem arrogância e comparações. Este texto revê as matérias da revista, seguindo a ordem da publicação e ressaltando os pontos principais pela minha ótica. Continuar lendo

Suas coisas dão colo? O problema do valor afetivo

A maior dificuldade que temos para desapegar das coisas é o famoso “valor afetivo”. Quer dizer que nós olhamos para uma coisa sem vida e temos uma reação que é reconhecida como afetiva: uma lembrança de alguém que amamos, um momento bom que passamos e ainda estamos apegados a ele. Encontramos em alguns objetos alegria e conforto, algumas coisas nos dão colo; será mesmo?

No feriado fomos à Piracicaba.  É um passeio muito legal regado a peixe, linda arquitetura e ótima infra-estrutura que recomendo!

Atravessando a Ponte Estaiada, tentando desconectar dos meus pés doloridos e ouvir o barulho do rio eis que me deparo com a seguinte cena:

Continuar lendo

Minimalismo e Negócios

Recentemente uma das participantes da Oficina de Minimalismo entrou em contato comigo. Ela faz parte do MTE da Unicamp e tem que apresentar um tópico que acredite levará ao crescimento pessoal/profissional e ela pensou no…Minimalismo!

Essa conexão me fez  lembrar dos meus tempos de Empresa Júnior (a ITEP Jr, da UFSM) e o sistema 5 S’s de Qualidade Total. Continuar lendo

O que é o Minimalismo?

É uma decisão, de viver intencionalmente, tendo somente o necessário, removendo o excesso que distrai daquilo que adiciona valor real à vida.  Continuar lendo

Do porquê viver num filme

Psicólogos dizem que devemos evitar comparar nossas vidas com as fotos perfeitas e felizes postadas nas redes sociais.
A mesma coisa com relação aos filmes e novelas, comparar nossas vidas a fotos e filmes perfeitos só gera ansiedade e sentimentos de inequação.
Mas sabe qual a lição que fotos e filmes perfeitos nos ensinam? Propósito! Continuar lendo

O Hábito

O segundo passo para o minimalismo é o Hábito.

Alguns dizem que é preciso 21 dias para formar um hábito, outros 66.

Este é o tempo que nosso organismo leva para se adaptar e automatizar um comportamento.

Ou seja, se hoje eu e você pararmos de assistir TV, em um mês ou dois, já não sentiremos falta dela.

Se alguém começar hoje a se exercitar diariamente, em um mês ou dois, sentirá falta das suas caminhadas, dos alongamentos, da academia.

Para um minimalista, o verdadeiro luxo é fazer ambos, seja qual for – assistir TV ou fazer exercícios – de propósito. Ou seja, com força de vontade, com foco, estando presente no momento presente.

O grande hábito cultivado pelo minimalista é o desapegar-se.

Desapegar-se de seu lixo.

Desapegar-se dos seus presentes.

Desapegar-se das suas doações.

Jogue fora, dê, doe. Tudo o que não é seu, tudo o que não é verdadeiramente você.

A decisão faz o desapego possível, a repetição faz do desapego um hábito.


Para ajudar na criação do hábito, existem vários jogos que trazem a sensação de recompensa, o reforço imediato, a dopamina necessária para tornar este desapego um hábito prazeroso e garantir que o caminho seja tão feliz quanto o destino final.

Um deles é o desafio do calendário,  o Jogo Minimalista.